terça-feira, junho 06, 2006

Correntes de mails contra últimas propostas do Ministério da Educação para avaliar professores!

Os professores continuam indignados com as propostas do Ministério da Educação para a revisão do Estatuto da Carreira Docente (ECD). Além das posições dos sindicatos, começaram também já a circular e-mails onde alguns docentes revelam a sua indignação e sugerem acções mais drásticas.
Numa mensagem enviada por correio electrónico é mesmo pedida a demissão em bloco dos conselhos executivos das escolas, revelam ao PÚBLICO duas professoras que quebraram a corrente, ou seja, não enviaram o texto a mais ninguém por não concordarem com o pedido.
Um grupo de professores do Algarve criou também uma página na Internet onde publicou uma carta de protesto contra o ECD e três propostas de iniciativas para cumprir todos os dias desta semana. Os docentes pedem aos colegas para enviar diariamente aquela carta à ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues.
Ontem, a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) esclareceu, em comunicado, que está disponível para negociar o ECD - que regula a carreira dos educadores de infância e dos professores do ensino básico e secundário -, ao contrário do que Maria de Lurdes Rodrigues declarou este fim-de-semana em entrevista ao PÚBLICO e à Rádio Renascença.
"A ministra sabe que considerar "inaceitável" a proposta que apresentou não é o mesmo que considerá-la "inegociável"; sabe, mas interessa-lhe confundir os conceitos", acusa a federação.
A Fenprof lembra que combinou com o ministério que lhe fará chegar uma proposta global de revisão do ECD depois de o conselho nacional se reunir, esta semana. Contudo, a sua proposta global não é uma reacção ao projecto da tutela, ressalva Mário Nogueira, dirigente sindical.
O parecer à proposta da tutela terá de ser construído com os professores e a Fenprof começou já por isso a reunir com os docentes para recolher as suas posições, informa o dirigente. "A Fenprof não se põe de fora das negociações, mas também não consideramos uma prioridade a revisão do ECD. O ministério é que a considera prioritária", continua Mário Nogueira.
A Confederação Nacional das Associações de Família (CNAF) declara-se entretanto contra a proposta da tutela de os pais avaliarem os professores.
A CNAF reúne cerca de uma centena de organismos ligados à família, intervenção social e ensino e é presidida pela ex-secretária de Estado Teresa Costa Macedo. Num comunicado ontem divulgado considera que a actividade dos docentes não deve ser avaliada por quem é interessado no processo.
in PÚBLICO

1 Comments:

Anonymous Rui Carneiro said...

Já agora, a título de curiosidade, digam-me quantos de vós acabaram os respectivos cursos com médias de 10, 11 e 12! Expliquem-me como se eu fosse uma criança de 4 anos, como é que um professor que enquanto aluno foi MEDÍOCRE, tem a capacidade de incutir nos alunos a noçao de EXCELÊNCIA, de BRIO, de ESFORÇO, de DEDICAÇÃO! A Educação está completamente de rastos e vôces têm elevada quota nesta desgraça! ASSUMAM-O! Se não estão bem, MUDEM-SE! Já que pelo que posso retirar pelas magnânimes opiniões aqui reveladas, estou em presença de absolutas sumidades em matéria de Educação, porque não se juntam e formam uma Escola onde podem practicar tudo o que defendem!!! E depois vemos os RESULTADOS! A minha Solidariedade vai para os PROFESSORES e PROFESSORAS deste País, que ainda os há em número suficiente para ter alguma esperança no futuro. Mas só quando o TRIGO for separado do JOIO!

quinta-feira, junho 08, 2006  

Enviar um comentário

<< Home