terça-feira, junho 13, 2006

O Governo mostra na Saúde como pretende poupar na Educação!

Uma grávida perdeu o filho à chegada a Portalegre, ao final da tarde de segunda-feira, quando era transportada de Elvas para a maternidade da capital de distrito, informou fonte dos Bombeiros. O caso aconteceu horas depois do encerramento oficial da sala de partos de Elvas, decretado pelo Ministério da Saúde.
A jovem caboverdiana, de 21 anos, residente na cidade e estudante na EPRAL, encontrava-se na 23.ª semana de gestação e entrou nas urgências do Hospital de Santa Luzia na tarde de 12 de Junho queixando-se de dores. A unidade de saúde encaminhou a grávida para Portalegre, sem qualquer acompanhamento clínico. Na ambulância, que foi solicitada pelo Hospital às 18h10, apenas seguia o motorista dos Bombeiros Voluntários de Elvas e uma familiar da grávida. O bebé morreu à chegada ao Hospital José Maria Grande, garantiu a mesma fonte, tendo a jovem ficado internada.
in EXPRESSO

2 Comments:

Anonymous Eurípedes said...

Pode ser tudo, mas foi o ministro que fez a pergunta aquando das providências cautelares: Quem se responsabiliza pela morte de alguém nas maternidades que estão propostas para encerrar e não têm condições, eu não sou?Se faz esta pergunta e a afirmação é porque se responsabiliza pelo novo método que é dele, pois que se responsabilize!O resto se foi assim assado e cozido, pouco importa, até podia acontecer na mesma e a maternidade aberta e fazer o mesmo percurso e o mesmo e ter o mesmo desfecho?Como já disse e não sou medico, mas penso que é correcto, estar a espera para parir numa cama 1 ou 2 horas, não é a mesma coisa que estar em transito numa ambulância, mesmo que menos tempo e bem acompanhada.Como é obvio os serviços de urgência não devem de estar fora de responsabilidades.Mas o ministro tem-nas e não é só políticas, e basta ver as palavras dele próprio.

quarta-feira, junho 14, 2006  
Anonymous Anónimo said...

Sempre fui contra o fecho das maternidades, apesar de viver num país com bons e modernos estádios de futebol..Este caso é lamentável, como será lamentável qualquer aproveitamento político do mesmo. No entanto, dá que pensar..Será que se a senhora tivesse sido reencaminhada para Badajoz ou a maternidade de Elvas estivesse aberta, o bébé teria morrido? Tenho sérias dúvidas, mas como já disse, temos bons estádios e é disso que o povo gosta.

quarta-feira, junho 14, 2006  

Enviar um comentário

<< Home