sexta-feira, julho 07, 2006

Empresários vão apoiar professores no combate ao abandono escolar!


Um grupo de empresários portugueses vai ajudar os professores a reduzir o abandono escolar, que no 10º ano de escolaridade chega aos 35 por cento e a 50 por cento no 12º ano.
A iniciativa, que responde a um repto lançado pelo Presidente da República, foi hoje apresentada a Cavaco Silva e pretende, numa fase inicial, apoiar os docentes com acções de formação e bolsas.
O apelo do chefe de Estado foi lançado na sessão solene comemorativa do 25 de Abril, na Assembleia da República, depois de ter centrado o seu discurso na necessidade de se combater a exclusão social e a pobreza e de se fazer da inclusão "uma causa nacional".
O grupo de dez empresários - João Rendeiro, Eduardo Catroga, Joaquim Vieira Coimbra, Diogo Vaz Guedes, Arlindo da Costa Leite, Horácio Roque, Soares dos Santos, Pedro Queiroz Pereira, Paulo Pereira da Silva e Manuel Violas - decidiu, por agora, apostar na educação.
João Rendeiro, do Banco Privado Português, explicou à saída do encontro com o Presidente da República que será criada uma associação sem fins lucrativos denominada Empresários pela Inclusão Social, que apoiará os docentes na melhoria da sua performance, de forma a combater o abandono escolar.
in PÚBLICO

6 Comments:

Anonymous J.F. said...

Estará implícito que os alunos abandonam a escola devido à má perfomance dos professores??? Estarei com a mania da perseguição??? Ainda que sim, serão os Srs. empresários a formarem os professores??? Quem se julgam??? Como será que motivam os seus trabalhadores incumpridores, preguiçosos e indolentes??? (Será que lhes oferecem um salário melhor ou um ano grátis no ginásio perto de casa, se começar a chegar a horas???)
Também, e ainda, se podem contratar empregadas domésticas para nos ensinarem a termos as salitas num brio que cative os alunos; carpinteiros que nos formem em reparação de portas, fechaduras, soalhos, tectos e carteiras; Electricistas que contribuam para a melhoria do nosso desempenho na manutenção dos (ausentes) aquecimentos/ventoinhas das salas de aula; informáticos que ensinem a utilizar a BANDA LARGA com os escassos e inoperantes equipamentos/ programas existentes;

sexta-feira, julho 07, 2006  
Anonymous J.F. said...

Psicólogos, Psiquiatras e Polícias para aprendermos a resolver os dramas da violência familiar; Economistas que nos ensinem a rentabilizar as situações de emprego precário / desemprego dos pais; Nutricionistas que nos transmitam formas de optimizar o pão na dieta alimentar dos jovens...já agora, um dos acessores/ secretários/ sub-secretários... da srª ministra para nos ensinar, "in loco", com horário/turmas/funções de docente e durante 1 ano, a ser excelentes professores (OK, só Bons para não termos a leviandade de querer ascender na carreira)... Saberão os empresários em quanto o M.E. comparticipa um aluno do escalão A??? É vergonhoso, mas comparticipamos, todos, muitas mordomias "submundistas" de pessoas muito bem instaladas na vida...- ajudem o Ministério: atribuam bolsas aos alunos carenciados, aos que revelarem brio e excelência..., abram as vossas empresas para "empregos de Verão" favorecendo o contacto dos alunos com o mundo empresarial, estimulando a responsabilidade e competência...

sexta-feira, julho 07, 2006  
Anonymous Anónimo said...

Eu vivo numa região turística por excelência e todos os anos alguns dos meus alunos deixam a escola mais cedo para irem trabalhar em diversos locais da região: bares, praias, centros náuticos, parques aquáticos. E sabem por acaso a razão de algusn dos meus alunos desistirem tão cedo? A culpa é justamente dos empresários que celembram contratos com eles desde o fim de abril, inícios de Maio porque se for mais tarde os coitados já não são aceites. E podemos extrapolar mais: de quem é a culpa dos professores ou dos pais? Não será antes do país e da sua politica de emprego, (donde os empresários não estão isentos de culpa) da sua política social...

sexta-feira, julho 07, 2006  
Anonymous Anónimo said...

Forma de engordar mais uns pançudos, mais um dinheiro desviado de fundos, que era suposto ser para desenvolver o país. Por isso Malta parece que já nos ultrapassou em todos os índices de bem estar. É um país cada vez mais adiado. Quando cheira a metais, aparecem logo uns "empresarios" para pôr a mão no bolo que estaria destinado ao desenvolvimento do país. Não há empresários em Portugal, há subsidiodependentes, ou seja pessoas q usurpam em benefício próprio o q seria para o desenvolvimento do país (de todos e para todos!).Tudo tudo para os bolsos da "malta"! Muita "inclusão para os bolsos próprios".

domingo, julho 09, 2006  
Anonymous Anónimo said...

A ideia não podia ser pior.Mas quando os professores começaram a dizer mal uns dos outros (discussões sobre a formação de cada um), é nítido que os responsáveis entenderam a fissura na classe e usam esse conflito.Nós mostramos como somos desunidos.Vejam, que num forum de educação bem conhecido, uma colega minha foi expulsa por ter opinião divergente.Quando a classe não se respeita, claro que todos aproveitam para desunir ainda mais.

segunda-feira, julho 10, 2006  
Anonymous Anónimo said...

Temos o Nuno Crato a meter-se em profissões que desconhece, que mais poderíamos exigir? Temos o Graça Moura com palavras rudes para todos os professores, que mais poderemos fazer? Está muito mau, infelizmente, para nós.

segunda-feira, julho 10, 2006  

Enviar um comentário

<< Home