quinta-feira, julho 20, 2006

Ministra nega existência de erros generalizados nos exames nacionais!

A ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, voltou hoje a negar a existência de erros generalizados nos exames nacionais do ensino secundário, recusando a possibilidade de serem apuradas responsabilidades junto dos serviços da tutela.
"Está completamente fora de causa. Como disse, os exames, no geral, correram bem", afirmou Maria de Lurdes Rodrigues, em entrevista à SIC, quando questionada sobre um eventual inquérito interno.
A Sociedade Portuguesa de Química e Associação Portuguesa de Professores de Matemática denunciaram, na semana passada, a existência de "incorrecções nos enunciados, alguma confusão na formulação das perguntas (...) e desajustamento entre o tempo estipulado para a realização da prova e o efectivamente necessário".
Apesar das denúncias, o Gabinete de Avaliação Educacional (GAVE) do ME nunca reconheceu a existência das falhas, admitindo apenas, no caso de Química e de Física, a possibilidade de ter havido "uma apropriação insuficiente do novo programa por parte de professores, alunos e manuais"."Os relatórios técnicos dizem que não houve erros.
Há, por vezes, controvérsias em relação ao conteúdo e isso é normal em ciência", explicou a ministra, lamentando que nos últimos dias se tenha assistido a um "alarido injustificado" e a "um certo oportunismo".
Maria de Lurdes Rodrigues justificou ainda a repetição dos exames relativos aos novos programas de Física e Química, sem prejuízo para os alunos no acesso ao ensino superior, com o "grau de rotura" entre o programa novo e o antigo daquelas duas disciplinas."Havia uma situação de desvantagem em relação aos alunos do programa antigo, que apresentavam maior possibilidade de treino e preparação", justificou, salientando que os programas foram este ano testados pela primeira vez.
in PÚBLICO