segunda-feira, agosto 21, 2006

Fenprof pede alargamento do prazo dado aos professores para aceitarem colocação!

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) quer que o Ministério da Educação (ME) alargue o prazo de 48 horas dado aos professores para aceitarem a sua colocação nas escolas, explicando que muitos docentes estão de férias.
As listas definitivas de colocação de professores foram publicadas na sexta-feira à noite, cerca de duas semanas antes do previsto, um dado que a federação considera muito positivo", mas que coloca um problema aos professores que se encontram de férias, nomeadamente no estrangeiro.
"O Ministério da Educação deve ter tolerância no que diz respeito a aceitação por parte dos professores colocados, já que têm apenas 48 horas para o fazer", afirmou Augusto Pascoal, em declarações à Lusa.
Os professores podem aceitar a colocação pessoalmente, por fax ou por Internet, mas caso não o façam nos dois dias úteis seguintes à publicação da respectiva lista perdem o lugar.
A Fenprof alertou ainda para alguns erros que diz ter detectado nas listas de colocação, nomeadamente no que se refere aos professores do código 300 (Português do 3º ciclo) e aos que pertencem ao código 320 (Francês).
Segundo o dirigente, "pelo menos 600 professores de Português e Francês pertencentes aos Quadros de Zona Pedagógica vão ficar com horário zero, já que as suas vagas foram preenchidas por professores contratados".
A Fenprof pede ao Ministério que seja encontrada uma solução para esta falha, dado que os professores poderão ter "complicações profissionais no futuro, uma vez que, se ficarem dois anos com horário zero, podem ser reconvertidos profissionalmente ou colocados no quadro dos disponíveis".
"A Federação sugere que os professores sejam colocados nas escolas a que tinham direito e que sejam estas a encontrar soluções internas para os casos, garantindo-lhes a componente lectiva, por exemplo com aulas de apoio, para que estes não percam os seus direitos", acrescentou o dirigente.
Pela primeira vez, o concurso de colocação de professores - concluído com a divulgação das listas de afectação (para os professores de Quadro de Zonas Pedagógicas), destacamento e contratação - será válido por três anos lectivos, uma medida que o Governo justifica com a necessidade de fomentar a estabilidade das escolas.
in PÚBLICO