segunda-feira, janeiro 08, 2007

Escolas públicas têm um computador com acesso à Internet para cada 13 alunos

As escolas públicas portuguesas têm um computador com acesso à Internet para cada 13 alunos, segundo dados divulgados hoje pelo Ministério da Educação, que sublinha o registo de uma melhoria face ao ano lectivo de 2005/2006.
Segundo o último recenseamento escolar do Gabinete de Informação e Avaliação do Sistema Educativo do Ministério da Educação, no ensino privado existe um computador com ligação à Internet para cada oito alunos.
Os mesmos dados revelam que existe no ensino público um computador para cada dez alunos e no privado um computador para cada sete.
Um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) divulgado em Janeiro do ano passado revelava que Portugal apresentava uma taxa de utilização de computadores na escola que se situava entre as mais baixas — inferior a 40 por cento —, tal como a Finlândia, a Suíça ou a Alemanha.
O mesmo relatório destacava que, em média, três em cada quatro estudantes nos países da OCDE utilizam computadores em casa várias vezes por semana. No Canadá, na Islândia e na Suécia este número sobe para nove em cada dez estudantes. Em contrapartida, apenas 44 por cento dos estudantes dos países da OCDE usam frequentemente computadores na escola.
O relatório indicava também que, apesar de o acesso a computadores nas escolas ter aumentado nos mesmos países, em alguns estabelecimentos de ensino as oportunidades de acesso dos alunos a este meio informático ainda eram bastante limitadas.
Era o caso de Portugal, em 28º lugar numa lista de 39 países, com uma média inferior a um computador por aluno. Eslováquia, Polónia, Letónia, Tailândia, Uruguai, Indonésia, Turquia, Sérvia, Rússia, Brasil e Tunísia são os países que ficam atrás de Portugal nesta matéria.
O estudo "Are students ready for a tecnology-rich world" forneceu os primeiros dados comparativos internacionais nesta área, baseados na avaliação do desempenho educacional dos jovens feita pelo programa PISA (Programme for International Student Assessement) de 2003, da OCDE.
Oito em cada dez alunos portugueses utilizam computador em casa
O documento revelava que oito em cada dez alunos portugueses utilizavam o computador em casa.
Os estudantes portugueses estavam entre os que têm uma atitude mais positiva em relação aos computadores, juntamente com a Áustria, o Canadá, a Alemanha, a Islândia, a Coreia do Sul e a Polónia. Com uma atitude mais negativa estão os alunos da Dinamarca, Finlândia, Hungria, Irlanda e Japão.
O mesmo relatório revelava ainda que os alunos portugueses apresentavam uma taxa de utilização de computadores em casa a rondar os 80 por cento, a par de países como a Finlândia, a Áustria, a Nova Zelândia, a Suíça ou a Alemanha.
O relatório concluía ainda que os estudantes que são utilizadores de computadores tendem a apresentar um melhor desempenho nos temas escolares fundamentais do que aqueles que têm uma experiência limitada ou falta de confiança nas suas capacidades para utilizar as funções básicas do computador.
Os alunos que utilizam computadores há vários anos revelaram um desempenho a matemática superior à média, em contraste com aqueles que não têm acesso a computador ou que o utilizam há pouco tempo.
in PÚBLICO