quarta-feira, março 21, 2007

Deputados PS votaram contrariados e com críticas ao estatuto dos professores

A disciplina de voto imposta na bancada do PS forçou na terça-feira quatro deputados socialistas a chumbarem todas as propostas de alteração ao Estatuto da Carreira Docente, apesar de terem fortes reservas sobre o diploma do Governo.

Na Comissão Parlamentar de Educação, 13 deputados do PS reprovaram as propostas de alteração apresentadas pelo PCP e PSD ao Estatuto da Carreira Docente, mas, no final da reunião, quatro deles apresentaram declarações de voto individuais: João Bernardo, Teresa Portugal, Júlia Caré e Odete João.

“Por estrita disciplina partidária, imposta pelo Grupo Parlamentar do PS, voto contra as propostas de alteração apresentadas pelo PCP e pelo PSD” ao Estatuto dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, refere João Bernardo na sua declaração de voto.

Em linhas gerais, os quatro deputados socialistas apresentaram-se em desacordo com o diploma do Governo em três pontos fundamentais: a diferenciação entre a carreira de professor e de professor titular; a compatibilização da carreira com o exercício de cargos públicos e sindicais; a participação dos pais e os critérios como o abandono e o sucesso escolar na avaliação dos professores.

Críticas de desvalorização da actividade docente

Entre outras críticas, este grupo de deputados do PS diz que o Estatuto da Carreira Docente contém normas “arbitrárias, discriminatórias, burocráticas, desvaloriza a actividade docente na sala de aula”, colide com a “salubridade pedagógica” e – acrescenta Teresa Portugal – poderá “violar o campo dos direitos, liberdades e garantias contemplados na Constituição da República”.

De acordo com deputados do PS, estas “fortes reservas” foram transmitidas “há várias semanas” ao secretário de Estado da Educação, Valter Lemos, mas o executivo “entendeu não ceder em nenhum ponto”.

Na sua declaração de voto, o deputado socialista João Bernardo considera que “a divisão dos professores em duas categorias terá repercussões negativas na organização interna dos estabelecimentos de ensino”.

“A determinação do número de vagas para professor titular e o consequente concurso para a respectiva categoria não reconhece a dimensão mais relevante na actividade docente: a sala de aulas”, lamenta o deputado.
in LUSA

4 Comments:

Anonymous João Botelho. said...

Cá se fazem ...cá se pagam !

Amanhã, vão ter que regressar às Escolas !

Amanhã, vão querer o meu voto !

Amanhã, conversamos...

"Muito Grato, estou".

quinta-feira, março 22, 2007  
Anonymous Anónimo said...

Alguém consegue obter os nomes de TODOS os "professores-deputedos"...perdão "professores-deputados", e as respectivas "fotos", para colocarmos nos placards das escolas? Obrigada.
Vão-se arrepender de terem nascido...

quinta-feira, março 22, 2007  
Anonymous Pedro said...

Disciplina de voto a isso obriga. Infelizmente...

sexta-feira, março 23, 2007  
Blogger pedro_nunes_no_mundo said...

Sabes como eu gosto deste cheiro a napalm pela manhã...

É isso e o travozinho azedo do truque de língua - deformação profissional, talvez.

Como faz toda a diferença noticiar que:
"Deputados PS votaram contrariados e com críticas ao estatuto dos professores"
ou
"Apesar de contrariados e com críticas ao estatuto dos professores, os deputados PS votaram",
fica por aqui o meu comentário.

quarta-feira, março 28, 2007  

Enviar um comentário

<< Home