quinta-feira, junho 21, 2007

Plano para melhorar resultados a Matemática será alargado "com urgência" ao 2º ciclo

O plano de acção criado pelo Ministério da Educação para melhorar os resultados a Matemática no 3º ciclo vai ser alargado ao segundo ciclo, já no próximo ano lectivo, anunciou hoje a ministra Maria de Lurdes Rodrigues.

Segundo a tutela, os resultados das provas de aferição realizadas no 4º e 6º anos, que serão divulgados hoje, mostram que a prova de Matemática do segundo ciclo foi a que registou o pior desempenho por parte dos alunos.

Por isso, o ministro decidiu estender a este nível de ensino as medidas em curso no terceiro ciclo, nomeadamente ao nível da "avaliação contínua dos professores e da avaliação dos programas" da disciplina.

"Estas provas confirmam as preocupações com o ensino e a qualidade das aprendizagens da disciplina de Matemática e, portanto, a necessidade de alargar ao segundo ciclo, com carácter obrigatório e urgente, o Plano de Acção para a Matemática", anunciou a ministra da Educação, em conferência de imprensa.

Com o objectivo de melhorar as notas dos alunos na disciplina habitualmente mais temida por todos, o ministério lançou há um ano um plano de acção que envolveu cerca de 293 mil alunos do 3º ciclo, em 1070 escolas e agrupamentos.

No âmbito deste plano, que conta com um orçamento global de nove milhões de euros até 2009, as escolas apresentaram à tutela projectos de melhoria dos resultados à disciplina, com metas definidas e quantificadas a três anos.

A contratação de peritos de universidades, o recrutamento de mais docentes de Matemática para reforçar o apoio aos alunos e o aumento do número de horas dedicado à disciplina foram algumas das soluções encontradas pelos estabelecimentos de ensino e viabilizadas pelo ministério, que não autorizou, contudo, a diminuição do número de estudantes por turma, uma das principais solicitações das escolas.

Para apresentarem à tutela projectos de melhoria de resultados, as escolas terão de analisar o desempenho dos alunos do 6º ano nas provas de aferição realizadas em Maio, cujas notas são já do conhecimento dos estabelecimentos de ensino desde o início da semana, sendo afixadas quinta-feira.

No princípio de Outubro, o Ministério da Educação vai ainda entregar cerca de 30 mil relatórios por turma e por escola, nos quais serão especificadas as competências em que os alunos demonstram mais dificuldades.

De acordo com a ministra, a elaboração desses documentos vai permitir "avaliar elementos estruturais do sistema de ensino, tais como programas, manuais escolares e formação de professores".

Ministério fala em “ano zero de nova série de provas de aferição”

Cerca de 250 mil alunos do 4º e 6º anos realizaram as provas de aferição a Língua Portuguesa e Matemática, testes que não contam para nota, mas que, pela primeira vez, foram aplicados universalmente nos dois anos de escolaridade.

Na conferência de imprensa, o Ministério salientou o "ambiente de serenidade e profissionalismo" que rodeou os testes, corrigidos por 8200 professores, considerando que este foi "o ano zero de uma nova série de provas de aferição".

"O sistema de ensino demonstrou estar preparado e encarar com naturalidade os procedimentos de avaliação externa das aprendizagens", congratulou-se a ministra Maria de Lurdes Rodrigues, considerando, no entanto, ser "muito cedo" para equacionar a transformação destas provas em exames nacionais.


in LUSA

1 Comments:

Anonymous Gastão Pinto said...

Não entendo. O Plano Nacional da matemática já foi este ano apliacado ao 2º ciclo. Será que a ministra desconhece?

quinta-feira, junho 21, 2007  

Enviar um comentário

<< Home