quarta-feira, novembro 12, 2008

É O CAOS

Caos é a palavra que melhor caracteriza a escola portuguesa neste momento. O ambiente é de grande desgaste e no rosto dos professores está estampado o desânimo.
Os professores portugueses assistem impotentes à destruição da escola pública. Vêem-se obrigados a falsear os resultados dos alunos sob pena de não progredirem na carreira.
A artificialidade com que foi dividida a carreira entre professores titulares e professores fez deteriorarem-se as relações pessoais. As salas de professores tornaram-se campos de batalha e as reuniões são neste momento insuportáveis.
As quotas na avaliação trouxeram o individualismo, a mesquinhez e uma competição doentia. Já não há lugar para o trabalho de equipa, para a partilha de experiências, para a resolução em conjunto dos problemas da escola. É o CAOS!
Email enviado por uma professora ao Eduquês

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

O presidente do Conselho das Escolas alertou hoje para o mal-estar que se vive no ensino, em consequência do processo de avaliação de desempenho, sublinhando não ter memória de alguma vez se ter registado um tal "ambiente de tensão".

"Estou preocupado. Um dos factores promotores da aprendizagem é o clima que se vive e quando o clima é fortemente perturbado e boa parte do trabalho e das discussões se esgota na questão da avaliação é porque algo não está bem", alertou Álvaro Almeida dos Santos.

Em declarações à Lusa, o presidente deste órgão consultivo do Ministério da Educação (ME), que representa os conselhos executivos das escolas, considerou que o modelo de avaliação de desempenho definido pela tutela tem "alguma complexidade", sendo "escasso" o tempo disponível para desenvolver todos os procedimentos necessários.
"São estes os dois principais problemas e o diagnóstico é mais ou menos comum às escolas. É um processo que consome muito tempo", criticou.

Segundo Álvaro Almeida dos Santos, "a grande maioria dos professores das escolas tem pedido a suspensão" deste modelo de avaliação de desempenho, através de moções aprovadas em assembleias-gerais, havendo ainda "alguns órgãos directivos" de estabelecimentos de ensino que, formalmente, manifestaram a mesma pretensão.

Perante este cenário, o responsável defende que "é necessário chegar a um entendimento" e encontrar uma "solução equilibrada" entre o ME e os sindicatos, uma vez que o actual clima de tensão pode pôr em causa o sucesso das aprendizagens. "Sou professor há 25 anos e estou há dez como presidente do conselho executivo. Lembro-me de, há 17 ou 18 anos, ter havido um clima de muita tensão que teve a ver com questões ligadas à carreira docente, mas não com a dimensão actual. Com esta dimensão pública, não me lembro", alertou.

No passado sábado, cerca de 120 mil professores, de acordo com os sindicatos, manifestaram-se em Lisboa contra o modelo de avaliação de desempenho definido pelo Governo, prometendo "guerra todo o ano", caso o processo não seja suspenso.

De acordo com a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), cerca de 200 estabelecimentos de ensino de todo o país já decidiram não avançar com quaisquer procedimentos relacionados com este processo, uma lista que os sindicatos garantem aumentar diariamente.

Quarta-feira, a mesma decisão de suspender a avaliação foi tomada em reuniões gerais de professores em mais seis escolas da região Centro e um do Minho, nomeadamente em Castelo Branco, Covilhã, Fundão, Belmonte, Ansião e Sátão (Viseu) e Guimarães.

quinta-feira, novembro 13, 2008  
Anonymous Anónimo said...

É verdade, o ambiente está de cortar à faca, perdi todo o prazer de ir trabalhar. Que tristeza!

quinta-feira, novembro 13, 2008  

Enviar um comentário

<< Home